quinta-feira, 17 de agosto de 2017


O Silêncio dos Gritos


O silêncio nem sempre é calmo e quieto
Ele grita como um homem apanhando, levando chicotadas
E sendo o réu dos chicoteadores
Que silencia a voz do homem que grita



Gritos inquietantes, perturbadores do réu daquela noite
Que lagrima-se ao silêncio da meia noite
És mais um inocente sendo morto pelos cafetões delinquentes
Que tira do homem ser, a sua vida, e leva-se consigo um parabéns
Porém, na próxima noite tem, mais um que gritará



Não irá ser salvo por ninguém, apenas pela inquietude
Do silêncio das cordas vocais que fará daquela noite
Uma meia noite, única para aquele réu
Mas, mais uma para os cafetões comprimem as suas missões.

https://www.pensador.com/colecao/ketelytemperalmela/
Quando o homem escreve mais em base aos outros do que ele mesmo, percebe-se que ele é mais os outros do que si próprio.
Bonito mesmo é não pegar ideias dos outros, é criarmos as nossas próprias ideias, é ampliarmos o nosso vocabulário sem precisar usar de outras pessoas. É buscarmos mais dentro de si do que dos outros. Bonito mesmo é criar o que ainda não existe, isso é ser o autor de seu próprio engenhar.
Criar não é buscar palavras novas para dar vida a um texto, mas sim, o homem escritor dar vida ao seu texto com o seu próprio talento sem precisar utilizar de outros.
O homem sábio tem originalidade em tudo que faz, em tudo que cria.
Ser escritor é copiar nada de ninguém, nem uma vírgula, nem uma palavra, é você criar algo do zero, de sua própria imaginação, de sua própria inteligência.
Ser escritor é inspirar sem copiar. É criar com base em seu conhecimento e aprendizado, e não dos outros. Quando o homem escritor utiliza mais palavras, pensamentos, reflexões e ideias dos outros do que dele em suas criações, ele tão pouco descobrirá quem é o escritor que existe em si, quem é ele como escritor, mas saberá que precisa dos outros para criar algo que, talvez parece não conseguir sozinho.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017



Olá, amigos seguidores. Convido-lhes para avaliar anonimamente o blogue "O sopro de Esopo", para quem ainda não conhece e tem curiosidade em conhecê-lo o link é esoponovagao.blogspot.com, para deixar a sua mensagem é só clicar em https://esopo.sarahah.com/ e escrever. Caso queira avaliar identificando-se é só deixar o seu nome, link para acessarmos. 

Obrigada!

domingo, 25 de junho de 2017

Um Lufar

Boa tarde, prezadas(os) Lufadas(os). Tudo bem? Confira a nossa especial 1ª entrevista que realizamos em nosso blogue Esopo no vagão com um de nossos autores parceiros temporários. Com exclusividade, ele dá dicas e cita as estrelas que fazem o seu céu literário fulgurar mais ideias em https://esoponovagao.blogspot.com.br/2017/06/entrevistando-um-literato-um-viajante.html

Grata, Lufada. 

sábado, 17 de junho de 2017

Boa noite Lufadas e Lufados. Tudo bem? Gostaria de convidá-los(as) para participarem de uma brincadeira literária acessando https://esoponovagao.blogspot.com.br/2017/06/quem-e-o-viajante.html. Divirtam-se!

Grata, Lufada. 

quarta-feira, 15 de março de 2017


O Inferno dos Inquietos

O ser é livre em sua inquietação de desabrochar uma flor
De ser um simples amador contemporâneo do seu cotidiano
Que expõe as suas noites mal adormecidas em pinturas e escrituras
Que destrancam pássaros de prisões e corações trancados dentro de porões 
Que condena as suas aflições

O ser humano que não és humano, és apenas ser de sua espécie
Um humano incompleto do mundo e de todo o universo
Que condena a mente para a prisão perpétua do inferno
Rasgando a alma e purificando a áurea desconhecida
Que se esgota de lágrimas e gritos de melancolia de uma jovem menina

O ser deslocado-se de cada espaço do mundo
Traído pelo silêncio de um infinito sem fim
Apodado com padrões e estenótipos dos homens não pensantes
Caminhando-se na estrada do universo dos pobres homens e mulheres
Que pensam em riqueza sem serem nobres e fiéis a sua raiz
Que vomitam esnobações e aberrações de si mesmos
Porém, esquecem que a alma grita depois de rir


A inquietação aflige depois de sorrir como simples apagão
Depois de subir mais um degrau da escada de pensamentos
Que lhes condenam na prisão da inquietação do espírito
Em cada último suspiro saído de dentro de cada indivíduo. 


Engenhado por Lufada

sábado, 18 de fevereiro de 2017

"Concurso de Poetas Lusófonos"


Bom dia prezados, leitores e visitantes. Gostaria de parabenizar todos os inscritos para participarem do "Concurso Nacional Gritos Contidos" realizado pela equipe da "Coruja Escritora" e engenhado com todo o "cuidado" e dedicação das nossas queridas Vanessa Fontana e Renata Gusmão, que nos permitiu fazer parte desse "universo" da escrita, da criação desse projeto de arte e talento de cada um, e que os nossos trabalhos escolhidos possa alavancar não apenas o conhecimento e aprendizado que temos, mas inclusive essa "estrada" literária de futuros escritores, autores. 

Grata, Lufada.

A CABINE DE PETO - LUFADA

A Cabine de Peto é uma obra literária infanto-juvenil brasileira escrita pela escritora Ketely Temper Almela. Uma aventura encantadora e imaginativa de um garoto de 7 anos e meio, que cria um mundo surreal e fantástico estando dentro de uma cabine de livros infantis, e é nesta cabine que se encontra dentro de seu quarto os seus amiguinhos criados psicologicamente. Neste aventurar, ele convida uma de suas amiguinhas de classe, uma garotinha de sua mesma idade que tem um papagaio falante, que além de ser leitor é muito humorístico por usar óculos de grau. É uma narração de muito humor e amor. Encanta-se dentro da "Cabine de Peto" e seja um guerreiro capitão na sua busca pelo o que esta além de seus olhos. Viva o universo de Peto. 

Prezado leitor, caso queira realizar a leitura online da obra acesse https://www.4shared.com/web/preview/pdf/h_wrix5Wei?


E deixe a sua opinião para que possamos saber se gostou de apreciar esta cabine literária engenhada por K.T.A.

Grata, Lufada. 

http://www.ecrau.com/wp-content/uploads/2016/06/2-9ISSU-1.pdf
http://www.ecrau.com/obra-literaria-cabine-de-peto